Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

As Medicinas Tradicionais

Saúde; Medicinas Alternativas; Medicinas Naturais

As Medicinas Tradicionais

Saúde; Medicinas Alternativas; Medicinas Naturais

Qui | 22.11.18

Alimentos que no calor facilmente causam danos à saúde

Medicinas Alternativas
 

Há alimentos que por norma devem ser evitados no calor. Conheci muitas pessoas que tiveram sequelas graves devido às intoxicações alimentares e algumas delas até morreram. Nem sempre tudo o que está contaminado ou impróprio para ser ingerido tem um aspecto ou cheiro característico. 

Depois de ler o que se segue já não pode dizer que não sabia. Tome cuidado com os seguintes alimentos:

 

 

- Atum

Para além do mercúrio no atum, existe uma toxina chamada escombrotoxina. Essa pode acumular-se na carne do atum se não for mantida a temperatura suficientemente fria depois da sua captura. A intoxicação alimentar ocorre por causa da formação de histamina após a degradação bacteriana de histidina (presente em grandes quantidades em peixes no atum e na cavala). Essa toxina não é eliminada pelas altas temperaturas de cozedura. Por outro lado as latas de atum de proveniência do Eua contêm frequentemente metais pesados e o óleo pode ser de proveniência OGM ou transgénica. Os sintomas que ocorrem após a ingestão de peixes contaminados são dores de cabeça, náuseas, problemas de pele e palpitações.

 

- Carne de porco.

A carne de porco é uma das carnes que mais depressa entra em putrefação, as bactérias ao fim de uma hora multiplicam-se com o calor. Não é por mero acaso que a religião muçulmana desaconselha os seus seguidores a comerem este tipo de carne, esta religião sabe há milénios que esta carne adoece as pessoas no calor. Que o digam as tropas de Rommel da Afrikakorps, todos bem treinados, robustos e jovens e poucos dias depois de terem comido esta carne começaram quase todos a adoecer.

- Crustáceos

Para além dos detritos e metais pesados contidos nos crustáceos, - estes animais marítimos, funcionam muitas vezes como filtros e vivem junto à foz de rios, os quais na sua maioria carregam inúmeros poluentes das descargas citadinas, industriais e da agricultura intensiva - o que faz deles uma sobrecarga para os filtros humanos, nomeadamente rins e fígado. Com o aumento da temperatura aumenta o perigo da intoxicação alimentar com este tipo de alimento. 

- Gelados e sorvetes

Os gelados são perigosos sobretudo se não forem bem armazenados e condicionados. Para além de prejudicarem uma boa digestão e favorecerem a obesidade. O transporte e armazenamento desta guloseima podem aumentar o contacto com as bactérias. Se ainda assim não resistir prefira os gelados individuais e selados. Não se esqueça desta regra, não volte a congelar aquilo que foi descongelado.

- Manteiga de amendoim

Este alimento pode ser também contaminado com a salmonella. Muito comum na América do Norte (Canadá, Eua e México) muito menos consumida em países latinos (excepção México e Puerto Rico). Há que ter cuidado por causa dos ingredientes de proveniência OGM ou transgénica. Por outro lado, o amendoim é um tipo de leguminosa que tende a ser colonizado por um fungo que produz aflatoxinas. A ingestão de elevadas doses de aflatoxinas num curto espaço de tempo pode causar intoxicação alimentar. Os sintomas clínicos vão desde febre, icterícia e vómitos. Pode causar também lesão hepática (fígado) aguda que nos casos mais graves pode ser fatal.

 

- Ostras

Muitas pessoas apreciam-nas cruas, sobretudo no norte da Europa mas aí não tanto perigo por as consumirem a pouco mais de 15º C. No entanto, esta prática pode ser perigosa, devido à bactéria Vibrio vulnificus e esta é impossível de ver, saborear ou cheirar. Se consumida, pode matar facilmente. Cuidado pois com o aumento da temperatura. Tente sempre saber a sua proveniência, saiba se vem de áreas quase despoluídas ou não.

 

- Ovos

Os ovos, que são muitas vezes transportadores de salmonelose (Salmonella), uma das doenças mais comuns na alimentação. Estima-se que o risco de salmonelose é 50 casos por cada 100.000 pessoas por ano. Os sintomas (geralmente benignos) podem durar uma semana: diarreia, febre, dor abdominal, vómitos, dor de cabeça, náuseas. A melhor maneira de se proteger contra a salmonela é cozinhar ovos na sua totalidade. Com o calor, todo o cuidado é pouco.

- Requeijão

Cuidado com o requeijão e com todos os queijos não pasteurizados. Estes podem conter listeria. Se, tiver o sistema imunitário comprometido ou sobrecarregado (gravidez, doença, idade avançada) será prudente evitá-los. A listeria causa uma infeção chamada listeriose, possui um grande índice de mortalidade.

 

Obs.:

Nunca utilize os mesmos utensílios de cozinha utilizados nos alimentos acima mencionados, sem primeiro lavá-los, antes de os utilizar nos legumes e fruta!

 

Temas relacionados:

Evite as intoxicações alimentares

Confirmado: ADN de Alimentos Geneticamente Modificados são Transferidos para os Humanos que os Ingerem

Porque os teus avós não sofriam de alergias, já os netos não podem afirmar o mesmo

OMS: a carne é tão perigosa como o tabaco

Mapa: o perfil do cultivo de transgénicos em Portugal

A força invisível nos alimentos

Presidente Putin: OGM e vacinas ameaçam a evolução da humanidade

Evite as intoxicações alimentares

Estudo: alimentos da agricultura convencional, muito contaminados com pesticidas

 

Fonte:

Ciberrede

A Avó

https://as-medicinas-alternativas.blogs.sapo.pt/intoxicacao-alimentar-alimentos-que-149436 

Qui | 22.11.18

Mais outra droga, Ibuprofeno que só causa problemas

Medicinas Alternativas
 

Sabemos que todas as drogas farmacêuticas têm efeitos secundários, algumas têm efeitos muito graves na saúde humana, outras menos graves mas ainda assim sempre graves.

Mas sabe o que acontece com a sua saúde, quando toma uma vulgar droga farmacêutica como o Ibuprofeno?

 Várias pesquisas constataram que o fármaco Ibuprofeno prejudica o coração de pessoas, que já tenham algum tipo de problema nesse órgão. 

Os homens que consumam Ibuprofeno arriscam até  quase 250% em contrairem impotência. Mesmo os homens mais jovens não estão imunes.

 

Aqui ficam mais alguns dos muitos efeitos secundários do Ibuprofeno:

Tome especial cuidado com Ibuprofeno:

-Se tem problemas de coagulação do sangue ou toma fármacos anticoagulantes deve tomar ibuprofeno com precaução pois este inibe a agregação plaquetária.

-Se sofre de insuficiência renal ligeira a moderada, de insuficiência cardíaca com predisposição para retenção hidrossalina, se toma diuréticos ou inibidores da ECA, ou se é idoso, dado que o uso de AINE pode deteriorar a função renal. Antes do início e durante o tratamento com ibuprofeno deverá ser feita uma avaliação regular da função renal. Em caso de deterioração o tratamento deverá ser interrompido.

- No início de tratamento com ibuprofeno, tal como com outros AINE, este deve ser administrado com precaução em doentes com considerável desidratação.

-Se sofre de lúpus eritematoso sistémico ou outras doenças auto-imunes, por risco de meningite asséptica e/ou insuficiência renal.

-Se sofre de sintomas que sugiram lesão do fígado (anorexia, náuseas, vómitos, icterícia) e/ou apresenta alterações da função hepática (transaminases, bilirrubina, fosfatase alcalina e g-GT). Caso os sintomas/sinais se agravem o tratamento deverá ser interrompido.

-Se tem história de doença inflamatória do intestino (colite ulcerosa, doença de Crohn), na medida em que estas situações podem ser agravadas.

-Se sentir alterações da visão durante o tratamento com ibuprofeno, deverá interromper o tratamento e fazer um exame oftalmológico.

-Se estiver a tomar fármacos contendo corticosteróides ou outros AINE, pode aumentar o risco de ulceração e hemorragia gastrointestinal.

-Se estiver a tomar fármacos contendo outros AINE, incluindo inibidores selectivos da cicloxigenase-2.

-Se a dismenorreia (dores menstruais) for acompanhada de qualquer outra alteração não habitual, deverá contactar de imediato o seu médico.

- O ibuprofeno pode mascarar sinais de infecção.

- Este fármaco não deve ser administrado para o tratamento de febre alta (superior a 39.5°C), febre de duração superior a 3 dias ou febre recorrente, excepto se prescrito pelo médico, pois estas situações podem ser indicativas de doença grave, requerendo avaliação e tratamento médico. 

Fármacos como Ibuprofeno podem estar associados a um pequeno aumento de risco de ataque cardíaco (enfarte do miocárdio) ou Acidente Vascular Cerebral (AVC). O risco é maior com doses mais elevadas e em tratamentos prolongados.

Se tem problemas cardíacos, sofreu um AVC ou pensa que pode estar em risco de vir a sofrer destas situações (por exemplo se tem pressão sanguínea elevada, diabetes, elevados níveis de colesterol ou se é fumador) deverá evitar este tipo de drogas farmacêuticas.

 

O que ajuda a melhorar a libido?

O curador cogumelo Cordiceps. Maca, da América do Sul também ajuda.

 

Temas relacionados:

Analgésicos perigosos

Problemas renais devido à carne

Erva de S. João/Hipericão/Hypericum perforatum, esta planta incomoda também as farmacêuticas

MTC: O Inverno e a sua fase de transformação

Para reflexão: A alimentação e a saúde

Carne: Finlândia deixou de ser o país mais mortífero para o coração

Schisandra: Fruto silvestre de cinco sabores

Coração: O remédio natural que existe há muito

Sabia que ouvir Mozart faz bem ao coração?

Planta medicinal: A dedaleira

 

Fontes:

kopp-verlag

zentrum der gesundheit

https://as-medicinas-alternativas.blogs.sapo.pt/os-homens-eou-quem-sofre-do-coracao-153921 

Qui | 22.11.18

A carne e o coração

Medicinas Alternativas
 

"Quando perguntavam a alguém se sofria de doenças do coração, a resposta comum era 'ainda não'".

Essa era a dimensão do problema que a Finlândia enfrentou nos anos 1970, afirma Vesa Korpelainen, gerente-executivo de saúde pública na Carélia do Norte, região na fronteira com a Rússia.

Naqueles anos, os ingredientes favoritos dos moradores daquela região - e de todos os finlandeses - eram a manteiga, leite, salsichas, carne e sal.

Além disso, o fumo era um hábito disseminado pelo país.

Tais factores contribuíram para que a Finlândia tivesse a taxa mais alta de incidência de mortes por doenças cardíacas do mundo. E o índice na Carélia do Norte era 40% mais alto do que no resto do país.

Foi quando o governo incumbiu um médico de 27 anos, com mestrado em Ciências Sociais, da tarefa de resolver a situação.

 

Chamava-se Pekka Puska e foi nomeado director-geral do Instituto Nacional de Saúde Pública da Finlândia.

Em menos de duas gerações, a queda na mortalidade foi dramática e o estilo de vida dos finlandeses se tornou referência mundial.

Custo da celebração

O desafio de Puska era enorme.

A Carélia do Norte, onde viviam 180 mil pessoas, chegou a registar mil enfartes por ano, metade das vítimas eram homens com menos de 65 anos, e 40% dos casos eram fatais.

Isso apesar de a maioria dos homens ter trabalhos que exigiam da parte física, em madeireiras ou fazendas.

O que ocorrera? Em parte, a Segunda Guerra Mundial tinha seu papel.

Naquela ocasião, muitos finlandeses chegaram perto de morrer de fome.

Quando o conflito terminou, em 1945, celebraram com leite cremoso e muita manteiga, carnes em abundância e cigarros, produtos escassos havia tempo.

Frutas e vegetais quase deixaram o cardápio.

Mudanças em grande escala

"Era uma região relativamente pobre, em que pessoas criavam vacas que forneciam leite e outros produtos derivados. Pensavam que faziam um trabalho muito duro e que, por isso, precisavam consumir muita gordura", explica Puska.

O consumo de gordura, por si só, não é necessariamente um problema. Ocorre que as pessoas tinham deixado de ingerir certos alimentos.

"Homens naquela época costumavam dizer que vegetais eram para coelhos, e não para homens de verdade: não era possível trabalhar duro comendo vegetais."

A chave foi que aquele grupo de jovens percebeu que não era possível se concentrar em apenas uma coisa para enfrentar aquele problema: tinham que transformar todo o sistema.

Com a organização Marta, mudaram receitas de pratos tradicionais para torná-los mais saudáveis.

Nem um dos pratos típicos do país, o cozido da Carélia, feito fritando pedaços de carne com muito sal na manteiga, ficou a salvo. Caso procure pela receita hoje, ela provavelmente incluirá azeite de oliva ou mesmo nenhuma gordura, mais verduras e pouco sal.

Quando restaurantes reduziam o uso de sal, colocavam a quantidade não usada à vista dos clientes.

Havia torneios de redução de colesterol entre povoados, quando "moradores entravam na casa uns dos outros para verificar os frigoríficos/geladeiras e comprovar se havia vegetais", lembra Puska.

 

Em 1977, o projecto piloto da Carélia do Norte ampliou-se a todo o país.

 

Novos alimentos

Numa escala maior, com respaldo do governo, o grupo promoveu mudanças em práticas agrícolas.

"O grande problema eram as frutas, pois nesse clima gelado há poucas possibilidades de cultivo. Mas percebemos que podíamos ter muitas e deliciosas frutas silvestres, que são boas para a saúde".

"Com ajuda dos ministérios da Agricultura e do Comércio, lançamos um projecto para incentivar os produtores rurais a cultivar frutas."

Houve cooperação, mas também oposição.

Nos episódios hoje conhecidos como "guerras das frutas", foram desafiados por um dos mais poderosos protagonistas da economia do país.

"A indústria láctea resistiu com veemência porque consideravam que a iniciativa contrariava seus interesses. Mas eventualmente mais e mais empresas começaram a nos procurar", diz Puska.

Resultados

Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), a taxa de mortalidade por doenças cardíacas na população masculina de 30 a 64 anos caiu 73% na Carélia do Norte e 65% na Finlândia de 1970 a 1995.

"Também houve mudanças muito favoráveis em relação ao câncer e na saúde geral da população", diz o responsável pela iniciativa.

Hoje em dia essa taxa é 80% mais baixa do que nos anos 1970, e o país soma anos sem elevar seus índices de obesidade.

O mundo se interessou pela experiência. Políticos e funcionários públicos viajaram de outros países para conhecer detalhes.

 

Obs.:

"Pela boca morre o peixe." Ditado popular, que significa que quem quer ter saúde, tem de necessariamente de cuidar do que ingere.

A medicina convencional/alopática/química, continua desactualizada em vários países latinos, ao não avisar os doentes/pacientes/clientes sobre os riscos para a saúde do consumo das carnes.

 

Temas relacionados:

Sabia que a carne (ou peixe) frita ou grelhada...

Parasitas: Sabe se está contaminado? Sintomas e como eliminar

OMS: a carne é tão perigosa como o tabaco

A depressão é alimentada por maus hábitos alimentares

O acidente vascular cerebral (AVC) e como evitar

Estes alimentos apoiam positivamente os seus intestinos

Estudo: dieta vegetariana pode diminuir o risco de cancro em 43%

A vitamina B12 e alguns mitos

Evite as intoxicações alimentares

Caldos artificiais: Pedacinhos de veneno nas famosas marcas

Jejum e os seus benefícios

Porque a carne prejudica tanto o fígado?

 

Fontes:

BBC

DGE

DW

Ernährungsdenkwerkstatt

https://as-medicinas-alternativas.blogs.sapo.pt/carne-finlandia-deixou-de-ser-o-pais-147495 

Qui | 22.11.18

O telemovel

Medicinas Alternativas
 

Mais um tribunal italiano que reconhece a relação entre o uso do telemóvel/celular e um caso de cancro/câncer cerebral, ao pronunciar o veredicto a favor do executivo que desenvolveu um tumor no nervo auditivo por causa do uso do aparelho.

 

Segundo a defesa, Roberto Romeo, de 57 anos, usava o telemóvel várias horas por dia no trabalho quando em 2010 foi diagnosticado com um tumor no canal auditivo interno.

A doença obrigou à retirada de um nervo que provocou a perda de 23% da audição em Roberto Romeo. 

O tribunal de Ivrea, no norte da Itália, concluiu que o neurinoma do acústico foi provocado pelo uso do telemóvel, por isso julgou procedente a ação e condenou a agência nacional italiana de seguros a pagar 500 euros por mês de indemnização ao executivo.

Em 2011, a Agência de Investigação Internacional sobre Cancro classificou o telemóvel como provável fonte de cancro, ainda que julgue serem necessários mais estudos.

 

Nota:

Este não é o primeiro caso em tribunal,  que decide a favor do queixoso quando está em questão os malefícios  das ondas electromagnéticas sobre a saúde humana.

 

Temas relacionados:

Bioesfera, perigo: Quais os riscos da poluição eletromagnética? (Vídeo)

Celular/telemóvel: Perigo à espreita

Cancro: Causas

Picos de radiação espalhados pela Europa

Campos electromagnéticos: Proteger a população

Telemóvel: Cientistas de 39 países, alertam para os perigos para a saúde

OMS: Radiação do telemóvel é cancerígena?

Antenas dos telemóveis: Dois pesos e duas medidas nas radiações?

Porque estão a aparecer tantos tumores cerebrais?

Wi-Fi: uma perigosa e invisível ameaça à saúde. O que fazer?

-  Experiência: Plantas não crescem perto de roteadores Wi-Fi

 

Que o teu alimento seja o teu único medicamento! Hipócrates - Pai da Medicina