Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

As Medicinas Tradicionais

Saúde; Medicinas Alternativas; Medicinas Naturais

As Medicinas Tradicionais

Saúde; Medicinas Alternativas; Medicinas Naturais

Seg | 31.12.18

Enfermidades incuraveis?

Medicinas Alternativas
 

Existem enfermidades incuráveis?

dr. roberto giraldo médico doenças infecto imunologista e psicossomaticista ...

É triste ver como a cada dia a Medicina Convencional aumenta a lista das chamadas doenças incuráveis. Sem dúvida alguma, elas são incuráveis para a Medicina Ortodoxa contemporânea.

O câncer/cancro, a AIDS/SIDA, a diabetes, a hipertensão arterial, a enxaqueca, o lúpus eritematoso, a artrite reumatóide, a tireoidite/tiróidite, a esclerodermia, a dermatomiosite, a esclerose múltipla, a ciática, as hérnias de disco, a psoríase, o vitiligo, o pênfigo, a epilepsia, a hemofilia, a doença de Parkinson, a doença de Alzheimer, as alergias, a bronquite asmática, a úlcera péptica, a colite ulcerativa, os miomas, as hemorragias uterinas, a TPM, o glaucoma, a insuficiência cardíaca, a hepatite C, a insuficiência renal, a doença de Chagas, a esquizofrenia, a bipolaridade, para mencionar só algumas delas, são todas enfermidades que a Medicina Convencional classifica como “doenças incuráveis” (as farmacêuticas esfregam as mãos de contentamento) e só oferece para elas uma melhoria dos sintomas, portanto o paciente passa a vida toda consumindo fármacos/drogas farmacêuticas.

 

Porém, nenhum fármaco está livre de toxicidade, e a imensa maioria das vezes toda droga causa uma grande variedade de efeitos colaterais ou secundários, ainda mais delicados que a doença que elas pretendem combater, transformando a vida da pessoa medicada num inferno.

Além disso, a medicina actual/alopática/convencional muitas vezes usa drogas tóxicas para atacar causas inexistentes como acontece com a AIDS e a Hepatite C. Os vírus da SIDA/AIDS (HIV) e da hepatite C (HCV), jamais se há demonstrado que sejam vírus verdadeiros. (O exemplo do vírus do sarampo que não existe segundo o Supremo Tribunal) !

Se a pessoa o desejasse com sinceridade, muitas doenças chamadas de “incuráveis” poderiam ser curadas, como o demonstra a prática de mais de 40 anos de experiência com a Psicanálise Integral (www.trilogia.ws).

A Medicina Convencional não pode curar, simplesmente porque ela ataca os efeitos da enfermidade e não a causa real e verdadeira dela. A indústria médico-hospitalar acredita erradamente que a causa das doenças é externa, que ela está fora da pessoa – e não que o adoecimento/enfermidade é interno, devido sobretudo aos problemas psicológicos que ela tem. Desta forma a intervenção médica ataca com medicamentos tóxicos os vírus, as bactérias, os fungos, as parasitas, os agentes químicos e as radiações tóxicas, os alimentos “inapropriados” etc., desconsiderando a imunidade de cada pessoa, a chamada “farmácia interior” que protege o organismo. Basta ver que moramos num planeta poluído por todo tipo de toxicidades devido às acções destrutivas dos seres humanos. Se os agentes tóxicos químicos, físicos, biológicos e nutricionais externos fossem suficientes para sozinhos causar enfermidade, já todos estaríamos doentes e mortos.

A causa principal de nossos males e doenças nasce de nosso interior, do facto de não aceitarmos ver nossos problemas, nossos desequilíbrios emocionais; e a aceitação da consciência (interiorização) previne e cura enfermidades como o demonstram magistralmente os doutores Norberto Keppe e Cláudia Pacheco em sua prática clínica internacional de mais de 40 anos, e em mais de 50 livros publicados.

 

Temas relacionados:

A Nova Medicina Germânica (Vídeos)

Metafísica: As causas das doenças no caso de nódulos mamários (benignos e malignos)

Cada um possui o poder de se curar

Incríveis curas através da medicina ancestral

Manter a saúde emocional e mental

As doenças inventadas (pelas farmacêuticas)

Ciência/medicina/farmacêuticas: Não conseguem provar e andam a enganar-nos (vídeos)

Pão branco: Engorda, estupidifica e é um assassino oculto

Quando medicina e indústria farmacêutica preferem as doenças

Para onde caminha a ciência e a medicina no ocidente?

Mais uma mentira das farmacêuticas: Tribunal confirma que o vírus do sarampo não existe

Vacinas, pesticidas e rast(r)os químicos são armas de destruição massiça

MTC, Chi Cungue: Mulher curada de cancro da bexiga em menos de 3 minutos

Na natureza não existem coincidências; Ela é a nossa maior amiga 

Farmacêuticas não visam a cura, mas a dependência, diz Nobel da Medicina

Suíça: Governo reconhece a legitimidade e poder de cura da homeopatia, da MTC...

Reflexão da semana sobre a saúde

O ADN pode ser reprogramado por palavras e frequências

Jejum e os seus benefícios

Sabe como funciona a indústria da doença?

Pesquisadores afirmam que Jesus curava os doentes com cânhamo

 

Fonte:https://as-medicinas-alternativas.blogs.sapo.pt/nao-existem-doencas-incuraveis-existem-223804 

Seg | 31.12.18

As causas das doenças

Medicinas Alternativas
 
Metafísica é o título de uma obra de Aristóteles composta por 14 livros sobre filosofia geral.  Aristóteles usava geralmente a expressão “filosofia primeira” ou “teologia“ para fazer referência ao estudo do ser em geral. 
 
O significado da palavra Metafísica, Meta = além e Física = matéria, ou seja, tudo o que está além do físico e seus aspectos causais e não simplesmente aquilo que estiver além do facto em si.
A metafísica parte do princípio de que é a alma quem organiza a matéria e não a matéria quem cria a essência. O que diferencia a metafísica das ciências particulares é que a metafísica considera o “inteiro” do ser total enquanto as "ciências" particulares estudam apenas “partes” específicas do ser.
O objectivo a identificar no universo emocional, a condição interna que se encontra em desarmonia, onde se iniciam as desarmonias fisiológicas e oferecer ao doente/paciente/utente a consciência das condições Internas causadoras dos males físicos e assim transformar a sua condição emocional.
 
Aristóteles definiu as 4 causas, explicada aqui em termos gerais:
  1. A causa material 
  2. A causa formal
  3. A causa motora 
  4. A causa final 
A metafísica aplicada à saúde visa apontar quais os factores internos responsáveis pela saúde ou a doença. O órgão afectado e o tipo de alteração que ele apresenta revela como a pessoa se encontra numa determinada área da vida e, metafisicamente, correlaciona-se com aquela parte do corpo.
Os aspectos físicos, interiores e comportamentais são considerados pela metafísica da saúde fundamentalmente importantes para a saúde plena. Somente quando esses três factores estiverem em harmonia, a pessoa estará gozando de uma saúde perfeita.
Para vencer uma doença é necessário superar algumas complicações interiores que metafisicamente provocam as enfermidades. Resolver um mal físico sem promover as mudanças internas deixa a pessoa vulnerável a outros danos à saúde.
             “O que eu preciso mudar interiormente?
              O que o meu corpo está querendo dizer com essa enfermidade?”
 

 

Nódulos Mamários
 
Bloqueios afetivos!

Nódulos são caroços ou protuberâncias que podem surgir nas mamas. Sua presença não deve ser ignorada pela mulher, requer uma imediata avaliação. Podem ser apenas um quisto/cisto, um tumor, etc. Apesar do choque que a mulher leva ao identificar, pelo toque, a presença de uma massa sólida, a maior parte dos tumores mamários são benignos. 

Metafisicamente, o surgimento de nódulos mamários, de qualquer natureza, mesmo benignos, representa os bloqueios da mulher na manifestação da ternura.

Quando ferida afectivamente, a mulher se retrai, tapando/embutindo seus sentimentos. Esse comportamento a impede de resolver aquilo que a afligiu nos relacionamentos afectivos, gerando bloqueios que reflectem nas futuras relações.

A mulher perde sua qualidade interactiva, que sempre foi evidente nos seus envolvimentos afectivos. Geralmente adopta uma aparente frieza e certa indiferença para lidar com as questões pertinentes ao seu sentimento. Esse é um mecanismo de defesa para evitar mais decepções com as pessoas.

É como se criasse uma espécie de couraça energética, na região do peito, estendendo-se à face, que evidencia seus bloqueios por meio de um semblante rude ou amargurado, causando uma antipatia nas pessoas, à primeira vista.

Passa a ser vista como alguém severo, mas na verdade, trata-se de uma mulher ferida na afectividade, que se esconde atrás de uma máscara para evitar envolvimentos e se machucar emocionalmente. Sua atitude racional é um mecanismo de defesa para distanciar os outros, para não se integrar afectivamente e sofrer novos abalos.

O bloqueio na manifestação da ternura nas relações interpessoais gera dois tipos de comportamentos. Um deles é o sizudismo, a frieza e a rudez. O outro, no entanto, é a dependência, insegurança e até possessividade com relação ao parceiro.

Nesse caso, ela projecta na presente relação toda a sua expectativa de obter a felicidade afectiva, para suprir as carências dos antigos relacionamentos.

Passa a viver em função do relacionamento, abandonando outras áreas da vida, como o trabalho, a família, dedicando-se exclusivamente ao parceiro, como se somente ao lado dele pudesse ser feliz e realizada na vida.

A dedicação é tão exagerada que a torna uma mulher ingénua em relação a ele. Não vê/enxerga alguns factores altamente nocivos à relação devido ao desejo ardente de ficar ao seu lado. Sujeita-se a várias situações desagradáveis oriundas do comportamento do parceiro, mas não faz nada para evitar que ele proceda daquela maneira, só para não correr o risco de perdê-lo e sofrer tudo novamente.


Tumores malignos!

Há aproximadamente vinte anos, o cancro/câncer de mama era considerado uma doença que atingia mais as mulheres das classes média e alta da sociedade. O estilo de vida que expõe essas mulheres a poluentes, produtos enlatados que contêm substâncias cancerígenas, alimentação rica em frituras e gorduras, etc., bem como a vida sedentária, são prováveis factores desencadeadores do cancro/câncer de mama.

Actualmente, a população de mulheres com baixos rendimentos (baixa renda) começa a ser igualmente afectada porque adquire hábitos de exposição semelhantes aos das mulheres de classe social mais elevada.

O diagnóstico precoce ainda é um dos principais factores da cura. 

Ainda que seja inevitável a extracção da mama, existem recursos auxiliares na Medicina para a reconstrução, e até prótese de silicone. Sobretudo, a vida da mulher é preservada.

Visto que o diagnóstico prematuro do tumor possibilita a utilização de métodos clínicos mais brandos, não se deve ser displicente com a própria saúde. Não deixe passar nenhum sinal diferente nas mamas; imediatamente, após identificá-lo, procure um técnico de saúde de sua confiança.

No âmbito metafísico, as condições internas desencadeadoras do câncer de mama referem-se a profundas mágoas afectivas provocadas pêlos episódios vividos com a família ou com parceiros, que geraram profundas mágoas, fazendo com que a mulher reviva com frequência os ferimentos emocionais.

Os traumas no relacionamento tornaram-se um marco em sua vida, pois, depois disso, a mulher nunca mais foi à mesma em sua vida afectiva. 

Intensos bloqueios impedem-na de ser feliz e realizada afectivamente.
Não consegue se doar a alguém querido. Torna-se uma mulher cismada, com medo de ser enganada por quem gosta. Permanece sempre na retaguarda; a frieza e a indiferença são acentuadas nas relações afectivas.
Algumas mulheres que apresentam esses bloqueios evitam vínculos afectivos, não gostam de estabelecer relações mais profundas. Acabam por se empenhar no trabalho como sendo seu reduto de realização, para compensar as frustrações emocionais.

A dedicação profissional faculta a essas mulheres o sucesso na carreira. Esses resultados promissores aliviam a carga emocional gerada pêlos fracassos no amor.

Outras mulheres, no entanto, mergulham "de cabeça" numa relação, provocando os excessos de dedicação a uma só pessoa, como foi melhor explicado anteriormente.

Pode-se dizer que a condição metafísica do câncer de mama corresponde às mesmas dos tumores benignos; no entanto, com maior intensidade de abalo emocional.

Para reverter esse quadro, metafisicamente é necessário empenhar-se no desprendimento dos episódios nocivos de sua trajectória afectiva.
Não reprima a ternura e a docilidade. Mobilize-se em prol das pessoas queridas. Lembre-se que é você quem mais ganha com os gestos dirigidos às pessoas queridas, pois a dedicação possibilita a manifestação no universo consciente do sentimento de amor que existe em você.

Manter um bom nível de interactividade no relacionamento afectivo é um conteúdo essencial para fortalecer as bases emocionais, que alavancam a mulher para a felicidade e a realização pessoal.

Caso você seja uma daquelas mulheres que projecta no parceiro todas as suas expectativas amorosas, cuidado! Isso, além de esgotar sua tolerância na dedicação exclusiva a ele, também gera em você comportamentos de cobrança excessivos e apego exagerado, que desgastam o relacionamento. Acorde para viver um amor consciente e acrescido a tantos outros factores da vida que também lhe proporcionam conteúdos afectivos, como o envolvimento com outros membros da família, sua carreira profissional, etc.

Promova envolvimentos amorosos baseados naquilo que você sente, e não no que o outro pode lhe proporcionar na vida. Nada vale a pena se não corresponder ao seu sentimento. Sua felicidade depende daquilo que você sente, e não do que uma relação propicia.

Não deixe a vida passar sem que você aprecie as delícias de amar e estar bem próxima a seu amor. Quem ama encontra o maior sentido da vida, promovendo força e vigor para realizar tudo o que fizer parte de sua trajectória na existência humana.
 
 
Temas relacionados: