Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

As Medicinas Tradicionais

Saúde; Medicinas Alternativas; Medicinas Naturais

As Medicinas Tradicionais

Saúde; Medicinas Alternativas; Medicinas Naturais

Qui | 08.11.18

As estatinas duplicam o risco de diabetes

Medicinas Alternativas
 

Um estudo:

Tomar estatinas duplica o risco de diabetes, conclui estudo de 10 anos sobre esta droga farmacêutica controversa.

Os pacientes que tomam a polémica droga farmacêutica,as chamadas estatinas, correm um elevado risco de diabetes e até duplo risco de complicações diabéticas graves, conclui o estudo.

A pesquisa, publicada numa das principais revistas médicas, examinou 25,970 pacientes há mais de 10 anos e descobriu que os consumidores de estatinas tiveram uma maior incidência de diabetes e também aumento de peso.

Os pacientes que usam as drogas também tinham mais que o dobro do risco em complicações diabéticas, incluindo olhos, nervos e danos nos rins.

Os cientistas dizem que a nova pesquisa, confirma uma ligação que há muito tempo suspeitavam entre o uso de estatinas e diabetes.

Um perito cardiologista, afirmou: "Estes resultados são alarmantes”.

Os defensores das estatinas afirmam que estas drogas "salvam vidas, reduzem o colesterol" e os órgãos reguladores de saúde do Reino Unido dizem que são "seguras". Porém, após várias  pesquisas que sugerem vários efeitos secundários, como dores musculares, depressão, fadiga, perturbações de memória, e até acidente vascular cerebral (AVC), acabam por ser "benéficos(!)" para os doentes.

Muitos médicos e professores académicos dizem que as agências reguladoras de medicamentos baseiam-se apenas nos vários estudos financiados pela indústriafarmacêutica, que escondem os pormenores mais relevantes devido a acordos de confidencialidade comercial.

O Professor Ishak acrescentou: "Não há financiamento suficiente para a realização de estudos para avaliar esses efeitos a longo prazo, que não sejam financiados por empresas farmacêuticas e, portanto, obscurecidos por conflitos de interesse."

E ele disse que as drogas podem estar fazendo mais mal do que bem para as pessoas com baixo risco de doença cardíaca: "Eu sou céptico sobre as recomendações de prescrição para as pessoas com menor risco (de doença cardíaca). Estou preocupado com os efeitos a longo prazo sobre a enorme população de pessoas saudáveis que estão fazendo uso contínuo destas drogas por muitos anos".

E o Dr. Malcolm Kendrick, que estudou as estatinas e a saúde do coração, disse: "Tem havido um grande número de pequenos estudos que sugerem o aumento do risco de diabetes no uso das estatinas. No entanto, este grande estudo de longo prazo confirmou que este é um problema significativo”.

Ele acrescentou: "Este estudo derruba o argumento de que estes medicamentos devem ser prescritos a qualquer pessoa, pois os danos podem superar os benefícios anteriormente sugeridos”.

 

Outra das consequências inevitáveis são a perda de capacidades, tanto físicas como mentais.

 

Mau para a saúde dos doentes mas muito lucrativo para as farmacêuticas

A razão é óbvia: maximização dos lucros. Em todo o mundo, existem actualmente, cerca de 100 milhões de consumidores a tomar estatinas prescritas. Do ponto de vista das empresas farmacêuticas, não há nenhum motivo para abdicar desta receita tão fácil e lucrativa. E assim é aqui repetido o jogo bem conhecido, os pacientes são transformados em  geradores de lucros, mesmo que a droga prescrita seja prejudicial para a sua saúde.

E se adiciona diabetes, obesidade, cataratas, problemas de memória e dores musculares, tanto melhor, os lucros podem triplicar.

  

Outro estudo:

Os chineses não detêm patentes sobre o medicamento mais prescrito na actualidade, por médicos  que receitam aos seus pacientes, as estatinas. Desta maneira, cremos ser seguro acreditar no trabalho abaixo transcrito onde Yang X e colaboradores da Universidade Chinesa de Medicina estudaram o risco de câncer em diabéticos tipo 2 tomando estatinas para diminuir a concentração sérica de colesterol.
Seguindo 6107 diabéticos sob uso de estatinas durante quase 5 anos os autores observaram que 270 (4,4%) foram acometidos por câncer : aqueles com LDL inferior a 110 mg%.
Entre os 3110 diabéticos que não receberam estatinas o risco de câncer mostrou uma curva em forma de V. Comparando os pacientes cujo LDL colesterol estava entre 110mg% e 148 mg% , notou-se maior risco de câncer, maior risco de morte por câncer e maior risco de mortes por outras causas, naqueles que apresentavam LDL-colesterol inferior a 110 mg% e naqueles com LDL-colesterol superior a
150 mg%.
O trabalho nos mostrou a faixa segura que devemos manter o colesterol. Para conseguirmos manter o colesterol nesta faixa segura,
usamos dieta e exercício na fase inícial e depois o hexanicotinato de inositol junto com medidas para diminuir a ferritina, a
ceruploplasmina, a homocisteina e os metais tóxicos , cuidar da higiene do sono,etc….. Em 2 a 3 meses se o colesterol não estiver
entre 110 e 150 mg % , usamos as estatinas , entretanto , sempre com a suplementação de Coenzima Q10. Grande parte dos efeitos
colaterais das estatinas , incluindo a temível miocardiopatia se previne com a Coenzima Q10.

 

Fontes:

kopp-verlag

medicina biomolecular

menos rótulos

zentrumdergesundheit

https://as-medicinas-alternativas.blogs.sapo.pt/as-estatinas-duplicam-o-risco-de-70695