Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

As Medicinas Tradicionais

Saúde; Medicinas Alternativas; Medicinas Naturais

As Medicinas Tradicionais

Saúde; Medicinas Alternativas; Medicinas Naturais

Qua | 07.11.18

Cancro: Causas

Medicinas Alternativas
 

O que os radiologistas não nos contam!
As tomografias computadorizadas também “são controversas há muito tempo, devido às incertezas relacionadas à sua eficácia em detectar uma doença oculta”. (JAMA 2004; 292: 1669)

Cancro/Câncer pancreático, obesidade e exercícios

Um estudo de 150.000 homens e mulheres, durante 20 anos, mostrou que obesidade e tabaco aumentam o risco de desenvolver um cancro/câncer pancreático. Entretanto, o exercício regular moderado (como caminhar durante algumas horas por semana) pode reduzir o risco em 50% principalmente, nos obesos. (Michaud, Ds e outros no Jornal da Associação Médica Americana, 22.08.01)

 Morte por cancro/câncer

Um estudo realizado pela Universidade do Sul da Califórnia, com 1.500 casos de câncer da bexiga, mostrou que o risco de contrair a doença dobra para as mulheres que mensalmente tingem o cabelo. Ao prejudicar o sistema imunológico, as tintas também são relacionadas com artrite reumatóide. 
(Daily Mail 10.10.01)


Efeito menos conhecido
Os pesquisadores do Instituto do Cancro/Câncer Peter McCallum comprovaram um efeito colateral menos visível, e muitas vezes negligenciado, da quimioterapia para o cancro/câncer da mama. É a deterioração da memória e da concentração. Em alguns casos a mulher pode receber o diagnóstico errado de depressão ou demência.

O problema parece afectar principalmente a memória, a atenção, a linguagem e o pensamento. Escrevendo no jornal NCI (5 de Fevereiro de 2003), o Dr. Phillips afirmou que essas descobertas são de particular importância para a mulher com câncer da mama, sem nódulo linfático axilar afectado, porque os benefícios da terapia sistémica adjuvantes são pequenos. (Michael Woodhead, Australian Doctor, 21 de Fevereiro de 2003)

 

A pílula aumenta o risco de cancro/câncer do colo do útero e cervical
Há muito tempo se desconfia que a pílula anticoncepcional aumenta o risco de cancro/câncer do colo do útero. Agora, pesquisadores ingleses realizaram 28 estudos com 12.000 mulheres e comprovaram a suspeita. Quanto mais tempo a mulher toma a pílula, maior é o risco de adoecer de cancro/câncer do colo do útero. De 10.000 mulheres, adoecem 10 anualmente. O risco aumenta 10% quando a mulher toma a pílula de um a cinco anos. Se ela toma a pílula de seis a dez anos, o risco de cancro/câncer aumenta 60%. Se tomar durante mais tempo ainda, aumenta 120%. (The Lancet)

Um novo estudo indica que, para mulheres que tomaram a pílula durante cinco a nove anos, o risco de desenvolver cancro/câncer cervical aumenta três vezes. Para mulheres que tomaram a pílula durante dez ou mais anos, esse risco aumenta quatro vezes.

Por isso a Agência Internacional de Pesquisa do Cancro/Câncer (Lyon, França) quer que as mulheres, que estão utilizando a pílula por longo tempo, sejam incluídas em programas rotineiros de triagem para o cancro/câncer cervical.

 

Fracasso da mamografia na Suécia
Após dez anos de exames, a mortalidade pelo cancro/câncer de mama continua praticamente a mesma. Esse é um beneficio nulo para as 600.000 mulheres examinadas e uma preocupação inútil para aquelas 100.000 entre elas que foram atemorizadas por uma imagem erroneamente suspeita.

 

Importância do oxigénio
O crescimento do cancro/câncer é anaeróbico, “sem oxigénio". Entretanto, podemos controlar o risco de desenvolver cancro/câncer e tomar medidas para deter ou até regredir o crescimento, usando diversas técnicas para oxigenar os tecidos em nosso estilo de vida. (Dr. Graham, editor de diversos livros e vídeos e orientador nutricional de muitos atletas olímpicos).

 

Alerta: Meio de contraste nos exames é tóxico para o fígado

Geralmente em alguns tipos de exames é administrado um meio de contraste, como no caso da tomografia computorizada, para melhorar a qualidade de imagem, só que esse meio de contraste contém gadolínio/gadolinium é tóxico para o fígado, prejudica a actividade cerebral e prejudica seriamente quem tenha disfunções renais. Como se isto não bastasse, o meio de contraste pode provocar Fibrose Sistémica Nefrógena (FSN).

 

Obs.:

Não é por mero acaso, que os técnicos de imagem que lidam diariamente com estas máquinas, neste caso Tomografia Computorizada, morrem mais cedo (relativamente à média da população) e de cancro. Em vários países europeus, o paciente é obrigado a usar placas de chumbo de protecção para salvaguardar partes sensíveis do corpo humano, enquanto o técnico usa um fato especial e se esconde num habitáculo fechado e blindado.

Já quanto ao meio de contraste utilizado diariamente em exames, não entendo porque a ordem dos médicos e a DGS nada dizem sobre este problema de saúde.

Para além disto tudo, temos ainda a informação, que me foi enviada por 2 leitores/comentadores, sobre mais 1 escândalo: A ressonância magnética, com a sua imagem do cérebro não é de modo algum confiável, um possível erro no programa pode invalidar 40.000 artigos, veja aqui (clicar).

 

Temas relacionados:

Quimioterapia: Milhões de pessoas falsamente diagnosticadas

Estudo sóbrio sobre a quimioterapia

Estudo: 42% de quem tem cancro da mama pode evitar a quimio

A mamografia é inútil na prevenção

Quimioterapia: Falsa esperança para doentes cancerígenos, afirmam médicos

Radioactividade: Japão (TEPCO) contamina o oceano e o ar

Bioesfera, perigo: Quais os riscos da poluição eletromagnética? (Vídeo)

Picos de radiação espalhados pela Europa

O perigo das ondas electromagnéticas através dos contadores "inteligentes" da EDP

Campos electromagnéticos: Proteger a população

Wi-Fi: uma perigosa e invisível ameaça à saúde. O que fazer?

OMS: Radiação do telemóvel é cancerígena?

Experiência: Plantas não crescem perto de roteadores Wi-Fi

Telemóvel: Cientistas de 39 países, alertam para os perigos para a saúde

O micro-ondas é prejudicial para a sua saúde ?

 

Fonte:

Cura e Ascensão

ZENTRUM DER GESUNHEIT

https://as-medicinas-alternativas.blogs.sapo.pt/cancro-causas-195653