Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

As Medicinas Tradicionais

Saúde; Medicinas Alternativas; Medicinas Naturais

As Medicinas Tradicionais

Saúde; Medicinas Alternativas; Medicinas Naturais

Seg | 19.11.18

Drogas anti-depressivos causam suicídio

Medicinas Alternativas
 

Um novo estudo realizado por pesquisadores da Dinamarca e do Reino Unido, em que eles avaliaram os efeitos dos fármacos como os anti-depressivos, revelou agora que essas drogas farmacêuticas, na verdade, levam as pessoas a cometer suicídio – e em especial as crianças.

E neste estudo, consta que foi a maior investigação de sempre a pesquisar sobre o assunto, nomeadamente anti-depressivos.

No passado, familiares e amigos dos suicidas, frequentemente tinham reclamado de que o tratamento com antidepressivo levou os seus entes queridos a cometerem suicídio. As empresas farmacêuticas e os médicos rejeitaram essas afirmações,  sempre. Eles afirmam que não existe(!) nenhuma(!) ligação entre o suicídio e o uso de anti-depressivos.

Estas alegações e contra-alegações levaram alguns pesquisadores a investigar o fenômeno em mais pormenor. Você quer saber se os fármacos podem, na verdade, levar as pessoas a cometer suicídio.

Pesquisadores da Nordik Cochrane Centre e do Colégio Universitário de Londres analisaram 70 estudos clínicos, onde foram amplamente analisados os antidepressivos. Eles estudaram as seguintes drogas farmacêuticas: a DULOXETINA, Fluoxetina (mais conhecido como Prozac), Paroxetina, Sertralin e Venlafaxin. Estas preparações são divididas em duas classes: aqueles que são inibidores Seletivos de Serotonina (ISRS; inibidor seletivo de recaptação de serotonina) e  inibidores da recaptação de noradrenalina (IRN).

Os pesquisadores que descreveram que mais de 18.000 pessoas participaram nos estudos clínicos, para estes preparativos. Os pesquisadores descobriram que essas drogas farmacêuticas duplicaram (200%) o risco de suicídio nas pessoas e aumentou o comportamento agressivo em menores de 18 anos. Apesar de ainda não haver uma correlação similar observada em adultos, dizem os autores, a gravação incorrecta de dados experimentais, pode ter levado a uma grave subestimação dos danos nas pessoas

O estudo conclui portanto, as empresas farmacêuticas falharam no relatório, no que respeita aos efeitos colaterais e até mesmo mortes associadas com as drogas farmacêuticas. Depois de terem comparado os relatórios com as informações a partir de estudos clínicos com pacientes reais, os pesquisadores descobriram que as empresas farmacêuticas claramente perderam a oportunidade de avisarem sobre as mortes e suicídios durante o tratamento com anti-depressivos, desse modo enganaram os pacientes ao fazerem crer que as suas drogas farmacêuticas tinham um efeito positivo.

Os observadores, que se debruçaram sobre os resultados do estudo, se referem a ele como extremamente preocupante e até mesmo perturbador que as empresas farmacêuticas tenham deliberadamente espalhado falsas informações sobre os estudos clínicos.   

Uma das empresas farmacêuticas não havia comunicado quatro mortes, que ocorreram supostamente após o fim dos estudos clínicos. Um paciente estrangulou-se, após ele ter tomado Venlafaxine. Porque ele permaneceu, ainda cinco dias com vida, ele não foi tido em conta nos resultados da farmacêutica. Foi dito que ele não era um participante do ensaio, enquanto ele estava no hospital, ferido, acabando por sucumbir aos ferimentos, que ele próprio tinha feito a si mesmo!

Mais da metade das tentativas de suicídio e pensamentos de suicídio foram registados incorretamente como um sinal de instabilidade emocional ou como um sinal do agravamento da depressão. Resumindo, nos ensaios clínicos, da gigante farmacêutica, a Eli Lilly, faltavam 90% dos casos das tentativas de suicídio.

O Professor Peter Gøtzsche, o principal autor do estudo da Nordik Cochrane Centre, disse: "o anti-depressivo não funciona nas crianças, como ficou evidenciado, no entanto faz aumentar o risco de suicídio."

O estudo chega à conclusão de que crianças e os adolescentes devem ser primeiro tratados com o esporte/desporto e a psicoterapia, antes de administrar  a eles esses perigosos fármacos.

 

Obs.:

Desconhece-se qualquer tipo de reação a este perigo para a vida/saúde pública, por parte da Anvisa, Infarmed, OM e farmacêuticas.

Já se sabia que muitos dos fármacos não passavam de meros placebos. O que cada vez mais se constata é que as drogas farmacêuticas não só têm inúmeros efeitos secundários, como ainda podem ser um perigo para a saúde pública e até para a vida do ser humano! Este estudo, o maior estudo jamais feito desta ordem e grandeza no que respeita a anti-depressivos, veio colocar a nú o perigo que estes fármacos representam para a saúde/vida humana.

 

Temas relacionados:

Como a indústria farmacêutica falsifica testes sobre fármacos

Os fármacos podem matar

Aviso: Os antidepressivos podem matar

Erva de S. João/Hipericão/Hypericum perforatum, esta planta incomoda também as farmacêuticas

Efeitos secundários qb: Não há diferenças entre os genéricos e fármacos de marca

Colesterol: Fármacos são completamente inúteis

Psiquiatra afirma que antidepressivos não são tão eficazes

Ritalina: Droga legal ameaça futuro das crianças

Tomar fármacos para dormir duplica risco de Alzheimer

Estudo sueco: antidepressivos causam agressividade

Toma antidepressivos? Então saiba que...

 

Fonte:

Der Wächter

https://as-medicinas-alternativas.blogs.sapo.pt/atencao-estudo-confirma-tomar-154497