A comunidade científica tem consciência que uma grande percentagem de doentescom cancro da mama precoce é sobretratada.

Isto deve-se ao facto de o cancro da mama "só ser curável em fase precoce"(!), uma vez que quando aparecem metástases (doença à distância ou recidiva) a doença torna-se "incurável". Por essa razão, em caso de dúvida sobre o risco de recidiva, os médicos preferem fazer quimioterapia.

Uma questão crucial é como identificar os tumores precoces com um risco de recidiva tão baixo que permita prescindir de quimioterapia.

"Na prática clínica, decide-se se a quimioterapia será necessária ou não baseada em caraterísticas patológicas do tumor e características do doente. Mas há casos de tumores com as mesmas caraterísticas, que recebem o mesmo tratamento mas cujo comportamento é completamente diferente. Ou seja, existem outras características que são fundamentais para o risco de recidiva", explicou em entrevista à agência Lusa a investigadora da Fundação Champalimaud Fátima Cardoso.

Usou-se uma nova tecnologia para analisar o genoma do tumor, traçar uma espécie de bilhete de identidade, olhando para os seus 44 mil genes e tentando encontrar caraterísticas que diferenciem entre baixo e alto risco de recidiva.

Foi assim descoberta uma assinatura de 70 genes (MammaPrint) que permite fazer essa distinção. O estudo avaliou este novo teste em associação aos critérios patológicos e clínicos tradicionais.

Avaliou-se o risco de recidiva das 6.600 doentes do estudo pela forma convencional e também com o novo teste genómico MammaPrint.

Quando os dois métodos indicavam que o tumor era de alto risco, encaminhava-se o doente para quimioterapia. Quando a indiciação de ambos era de risco baixo, não se aplicava quimioterapia.

Em caso de discordância na resposta dada pelos dois métodos -- o que acontece em cerca de um terço dos casos -- os investigadores propuseram-se perceber qual devia ser o método seguido.

Dividiram os doentes e metade seguiu o método de avaliação de risco convencional do tumor e outra metade o risco apontado pelo MammaPrint.

O estudo concluiu que quando os critérios convencionais indicam alto risco mas o teste genómico diz baixo risco não precisamos de fazer quimioterapia. Na verdade, permite poupar quimioterapia a 46% de pessoas que normalmente fariam quimioterapia pelos critérios convencionais.

Saiba aqui por que motivo a mamografia é inútil na prevenção.

Leia aqui a reduzida eficácia da quimioterapia e da radioterapia.

Veja aqui o que pode levar a adquirir cancro e o que ajuda a evitar essa doença. 

Fontes:

sapo

diversas

ciberrede

https://as-medicinas-alternativas.blogs.sapo.pt/estudo-42-de-quem-tem-cancro-da-mama-115888